terça, 22 de outubro de 2019

Notícia

De Curitibanos para o mundo - Conheça a carreira de Ana Carolina Martins, bióloga e pesquisadora

Ana Carolina Martins, curitibanense, bióloga formada pela UFSC e atualmente faz mestrado em Genética e Biologia Molecular na UFRGS. Faz parte do grupo de Neurogenética do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Saiba mais...

A pesquisadora estuda apenas doenças neurodegenerativas que afetam os neurônios e que são transmitidas de pai/mãe para filho.

Durante o mestrado, está estudando a Doença de Machado Joseph, um tipo de doença neurodegenerativa que afeta o equilíbrio, o caminhar, a fala e até o engolir. Como é neurodegenerativa, não tem cura e os sintomas só pioram. O objetivo da pesquisa de Ana Carolina é investigar fatores que possam modificar o curso da doença (a idade de início, a velocidade de progressão) para que possa ajudar os afetados e seus familiares.

Acompanhe a entrevista de Ana Carolina:

QUANDO DESPERTOU A VONTADE DE SER CIENTISTA, OU SEGUIR ESTA CARREIRA?

              Eu costumo dize que toda criança é um(a) cientista! Ela sempre está tentando aprender algo novo, testar uma hipótese (do tipo “será que eu derrubar esse ovo, ele quebra?”) e analisando os resultados. Eu não era uma criança diferente. Minha mãe sempre me relembra que logo que aprendi a falar, dizia “eu disconcordo!” – Ou seja, desde criança já estava tentando provar minhas ideias. Acho que só mantive acesa em minha vida essa curiosidade, essa busca pelo conhecimento e pelo aprender.

QUAL A IMPORTÂNCIA DOS SEUS PAIS NESTE PROCESSO?

              Apesar de usar diversas ferramentas estatísticas para dar números exatos, essa resposta eu não consigo responder. Hoje, como neurocientista, eu posso afirmar que o ambiente em que a criança se encontra, propicia nela grandes mudanças. Meus pais foram sempre muito rígidos com relação a minha educação e sempre me deram o melhor que estava ao alcance deles. Com certeza, sem eles eu não estaria aqui. Foram (e são) meus grandes apoiadores, incentivadores e me ensinaram muito sobre valores e princípios. Eles são seres humanos fantásticos e busco seguir a humildade e integridade deles.

QUAL A IMPORTÂNCIA DOS SEUS PROFESSORES NESTE PROCESSO? ALGO QUE LHE MARCOU (CONSELHOS,  ORIENTAÇÕES?)

              Meu pai é professor, então, eu sempre acompanhei a carreira e tive muito respeito pelos meus professores. Esse fato também permitiu que eu tivesse muita proximidade com eles. Aliás, muitos dos meus professores se tornaram grandes amigos. Acho que o principal papel do professor é de incentivador, de orientador. Sempre levei para meus professores minhas dúvidas e incertezas e eles sempre me mostram o caminho. Sou muito grata à todos(as)!

QUAIS AS BARREIRAS QUE VOCÊ ENFRENTOU?

              Acho que a maior barreira que tive que enfrentar foi comigo mesma. Sou bióloga formada pela UFSC e no ano que me formei, tive que tomar a decisão de continuar na vida acadêmica ou não. Continuar na vida acadêmica significa continuar fazendo mestrado (2 anos) e doutorado (4 anos) depois de formada. Ou seja, foi muito difícil para mim ver meus colegas entrando no mercado de trabalho, constituindo família e uma carreira profissional enquanto eu ainda permanecia nos bancos da Universidade. Tive que resolver comigo mesma essa questão, antes de prosseguir. Hoje, vejo como um investimento em mim mesma. Além disso, eu não sou somente uma aluna de mestrado, eu faço pesquisa científica e desta forma contribuo muito para o meu país.

              Além disso, atualmente enfrentamos muito dificuldade com o governo federal. Para quem não sabe, a profissão de cientista não é regulamentada no Brasil. Não temos piso, 13º e nem auxílios. Somos estudantes de Pós-Graduação (mestrado, doutorado, Pós-doutorado) e recebemos o que o governo chama de Bolsa (que na verdade é nosso salário porque temos que ter dedicação exclusiva para pesquisa). Esse ano, nosso orçamento vem sofrendo grandes cortes e a população parece não estar ciente das consequências disso. Se deixarmos de investir em ciência, teremos que comprar medicamentos, tecnologias, vacinas, insumos (etc) de outros países. Fortalecer a pesquisa no Brasil é fortalecer a soberania nacional para que a gente não dependa de outros países!

PARA VOCÊ, QUAL O SEGREDO PARA CHEGAR LÁ? QUAL CONSELHO PARA OS JOVENS QUE ESTÃO NA ESCOLA E LOGO VÃO BUSCAR UMA PROFISSÃO?

              Não tenho a fórmula secreta. Sou mais uma brasileira correndo atrás dos seus sonhos, praticando o bem, ensinando e aprendendo sempre. Acho que meu principal conselho é: Tenha uma meta clara, trace diversos caminhos para se conseguir o que almeja, foque e aproveite toda oportunidade que aparecer em teu caminho. Os nossos jovens precisam de oportunidades!

 PEDIDO PARA A VAKINHA / VIAGEM:

Minha pesquisa foi selecionada para ser apresentada em dois congressos internacionais em Washington DC em Novembro. Como a Universidade não cobre os gastos, estou fazendo campanhas de arrecadação para conseguir o dinheiro. Você pode doar de duas formas:

1) Você pode ajudar doando direto no link da Vaquinha Online:
https://www.vakinha.com.br/vaquinha/vaquinha-da-ana-ana-carolina-martins

2) Ou doando direto na minha conta corrente BB:
Ag 517-7
Cc 107915-8

PALAVRA LIVRE PARA ANA

              Quem me conhece sabe o quão feliz eu fico de voltar para Curitibanos, poder compartilhar minhas experiências com os curitibanenses e me sentir mais pertinho da minha vida. Tenho um orgulho imenso da minha cidade, das pessoas que trilharam comigo alguma parte do meu caminho e fico muito feliz em poder contar um pouquinho mais de mim! Atualmente moro em Porto Alegre em função do mestrado, mas meu coração permanece em Curitibanos. A gente precisa ser humilde a ponto de reconhecer a importância das pessoas na nossa vida. E eu serei eternamente grata à Curitibanos!

Marcio Godoi

Carreira e Empreendedorismo

Formado em Administração de Empresas pela UnC - Universidade do Contestado. Possui pós-graduação em Gestão pela mesma instituição. Em sua carreira na área da administração trabalhou por 9 anos no setor público, atuando também por mais de 10 anos no setor de comércio e prestação de serviços onde atua atualmente. É professor de Administração. Na coluna Carreira e Empreendedorismo tem o objetivo de orientar profissionais, discutir e comentar assuntos relacionados ao emprego e carreira profissional.